Apesar de às vezes parecer simples, o tratamento dos “vasinhos” exige uma avaliação criteriosa pois, se realizado de forma inadequada, o resultado pode ser bem diferente do esperado pelos pacientes, além de poder apresentar um retorno precoce do problema.

Frequentemente durante a avaliação encontramos um vaso com calibre aumentado e que está “nutrindo” os pequenos vasinhos da pele. Imagine que o vaso nutridor é o tronco de uma árvore e que os vasinhos são as folhas. Se podarmos apenas os pequenos galhos, em pouco tempo a árvore estará cheia de folhas novamente.

      Ainda bem que atualmente dispomos de diversos métodos para a avaliação e tratamento das varizes. Os grandes aliados na avaliação da microcirculação venosa são os transiluminadores e os dispositivos de realidade aumentada. Os nomes parecem complexos mas vou explicar como funcionam.

     Os transiluminadores são pequenos aparelhos que emitem uma luz vermelha que permite visualizar os vasos localizados logo abaixo da pele, tornando assim possível identificar possíveis veias nutridoras que estejam mantendo o fluxo nas pequenas varizes de pele. Funciona como se você colocasse uma lanterna na palma da mão e apagasse as luzes.

      Os dispositivos de realidade aumentada são aparelhos que utilizam luz infravermelha para detectar o fluxo sanguíneo no interior dos vasos, processam essas imagens e projetam na pele do paciente, permitindo visualizar em tempo real características como fluxo, diâmetro e trajeto do vaso que está sendo tratado.

      Acredito que depois dessas explicações você percebeu o quão complexa é a avaliação das varizes e que a mesma deve ser realizada por profissional qualificado, no caso, o cirurgião vascular.

Agora que já conversamos sobre os métodos de identificação das varizes, vou explicar uma das armas que dispomos para o tratamento. O laser é um aparelho que emite uma onda de energia em uma frequência específica e que no nosso caso tem por objetivo atingir as hemácias que circulam no interior dos vasos sanguíneos, poupando os outros tecidos que se encontram ao redor. Ao ser atingida por essa onda de energia, as hemácias aquecem e acabam por fechar o vaso, tratando assim as varizes que tanto causam incômodo. A vantagem desse método é que o mesmo não é invasivo, ou seja, não há picadas de agulhas, além de poder tratar desde pequenos vasinhos de pele até veias nutridoras. O procedimento é realizado com um resfriador de pele que além de diminuir o desconforto, diminui a chance de lesão dos tecidos vizinhos pelo calor.

 

Agora que você já conhece mais essa opção, converse com o seu cirurgião vascular para escolher o melhor tratamento para o seu caso!

Transiluminador destacando a veia reticular ("nutridora").

Dispositivo de realidade aumentada mostrando a rede de veias dilatadas presentes abaixo da pele.

Tratamento de varizes com laser.

Captura_de_Tela_2019-12-10_às_21.41.19.p
Cirurgião Vascular Fortaleza: Dr Frederlico Linhares